Para assistir (e ler): The Handmaid’s Tale

Offred-Handmaids-Tale-Season-1.jpg

A série de 10 episódios, The Handmaid’s Tale (O conto da Aia) da plataforma de streaming Hulu, é baseada em um livro da escritora canadense Margaret Atwood, e estrelado pela atriz Elizabeth Moss (Mad Man).

Assim como muitos livros de sucesso (lembram de Jogos Vorazes e Divergente?), a história se passa em uma sociedade distópica. Diferente dessas obras, no entanto, o “Conto da Aia” vai abordar os diversos papéis da mulher em uma sociedade teocrática, onde todos os seus direitos foram anulados por um grupo religioso radical que tomou conta do governo.

Em um mundo destruído pelas catástrofes ambientais, a disputa pelo poder só cresce, assim como os discursos totalitaristas e fundamentalistas, onde o medo é o principal meio de conquistar o poder. Após um golpe militar, o grupo reliogioso radical transforma os Estados Unidos na República de Gilead.

Nesse novo modelo social, as mulheres são destinadas a cumprir o seu “papel biológico”: reproduzir. Porém, nem todas conseguem gerar uma criança, pois o ambiente poluído tornou a maior parte da população estéril. Essa responsabilidade, então, é designada as Aias. As mulheres consideradas infertéis, tornam-se Martha’s, serviçais e cozinheiras dos Comandantes, prontas para servi-los sempre que preciso. As que estão casadas com os Comandantes assumem o papel de “esposa troféu”.

26-handmaids-tale.w600.h315.2x.jpg

Elisabeth Moss interprerta Offred, antes conhecida como June. Após ser sequestrada, é entregue a um casal poderoso e é sistematicamente estuprada em uma “cerimônia religiosa”, até engravidar. A história é contada, no livro, pela perspectiva dela, mas na série vamos entender um pouco mais a história de cada personagem, conheceremos a fundo os diversos setores que a mulher ocupa nessa sociedade distópica e a complexidade por trás dos personagens femininos.

As cenas são fortes e os diálogos impactantes, mostrando como, mesmo uma sociedade que já evoluiu em tantas questões sociais, pode regredir em nome do medo e do patriarcado. Apesar de uma situação que parece muito distante da nossa realidade, estamos vivendo tempos sombrios, onde discursos de ódio são encorajados e altos representantes do governo mostram-se abertamente machistas e conservadores. É partir desse reflexão que a cada página a frustração vai tornando-se um sentimento muito presente, especialmente se você for mulher. Um livro e série maravilhosas, que merecem ser reconhecidas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s